11.17.2008

A minha terra


Vilar-my Site


Que beleza o Douro


O turismo no Douro


paisagem


Eu e o Douro


10.08.2008

Gloria no país que eu amo


A actriz Gloria Dávila e João Sevivas


As actrizes Gloria Davila y Betty Araújo


BACANAL EN AUTOPSIA

Esta mañana
No tengo más ganas de morir
Porque piedra del hielo frío quiero ser
Perfume atezado sin un DIOS mirándome.

Esta mañana…
Cada tristeza mía deja de existir
Mi pálpito ha quebrado el ojo de su faz
Mi último aliento es bolsa de jebe en autopsia.

Esta mañana…
De panes mi garganta es amargura blanca
Cuchara de hiel
Y
el café me sabe amargo a poco o a nada.

Ahí van mis gentes y mis restos
sin conciencia
hartos de mi ausente nombre
y es que mis fauces
Gritando en cadenas
No son más un llanto en huecas sonajas

Gotas gruesas van ahora
Surcando la orilla de tu ágape
Que a mi puerto no ancla más
Y no le son ausentes
Esta mañana mi búho
Ha cantado un sonata
Para mi partida sin retorno
Porque soy lodo sin aliento en autopsia bacanal.



Glória Dávila Espinoza

10.04.2008

Comentários à minha poesia

A las 12:42am en el October 4th, 2008, Tania Alegria dijo…
Olá, amigo Manuel Feliciano! Fui bisbilhotar no teu perfil porque apesar de te saber português escreves como os brasileiros. E não me enganei.O teu poema é muito sugestivo, construido com imagens fortes e expressivas. Tens o que dizer e sabes como dizê-lo em versos. Foi um prazer ler-te.Um abraço amigo.

Opiniões sobre a minha poesia

A las 12:42am en el October 4th, 2008, Tania Alegria dijo…
Olá, amigo Manuel Feliciano! Fui bisbilhotar no teu perfil porque apesar de te saber português escreves como os brasileiros. E não me enganei.O teu poema é muito sugestivo, construido com imagens fortes e expressivas. Tens o que dizer e sabes como dizê-lo em versos. Foi um prazer ler-te.Um abraço amigo.

10.01.2008

Poema de Manuel Feliciano

Há uma mulher à minha espera
Num barco de nuvem
De lança de aurora e de núpcias
Metafísica de longínquos cabelos de seda
E um cavalo azul atravessa o céu
De líquidos dedos e sons aromáticos
Por detrás das rosas com bocas de carne
Oh ânsia de um Deus vivo
Oh natureza sensorial respira
E diz palavras para que todos oiçam
Oh carros e máquinas assassinas
Fiquem humanos
Oh homens sejam carros nessas ruas
Metalizai o vosso ego e orgulho
Pelo menos um cão
Nesses Lassos olhos como a noite
Ladre a podridão
Nesses ferros, nessas prisões
Que a inteligência humana pariu
Um rato no esgoto não queira ser homem!


Manuel feliciano

PRIMAVERA ETERNA PRIMAVERA

PRIMAVERA ETERNA PRIMAVERA


Gloria Dávila Espinoza








Recorro tus espacios en átomos y ADN y células


Escarbando ojos en el silencio, susurrando en tus paraísos


Voy convulsa a tu hermosa piel de nácar vestida de miel


Y por saberte mi amada eterna.





Y atreviéndome a más no poder


te grito desde mi aorta para decirte que sois y serás


mi catarata de naipes repletas de verde plumaje azul flora


y encandilando auroras una eternidad en simbiosis de paz.





Se dibujarán entonces los colores


colores todos, las noches todas, las mañanas todas


con avecillas todas y los cantos en nidales


abriendo a sonrisas su día en portadas de sol








En raudas caídas de plata y ensueños de un colibrí


iré a tu caza para saberte mía por siempre


entonando un soneto a la luz de la vida


nada hará sombra en el árbol.





Porque sois primavera


una coraza mía eternizando el susurrar a mis oídos


agua, tierra, sol, luna fuego, aire, irán


A la caza de una estancia que es tu voz…


PRIMAVERA ETERNA PRIMAVERA.





© Gloria Dávila Espinoza








*****

9.30.2008

Opiniões sobre a minha poesia

A las 4:26pm en el September 30th, 2008, lilian reinhardt dijo…
Manuel, magicamente belos, densos, líricos, significantes os seus poemas, nos encanta e inebria com a sua voz poética. Um grande abraço


A las 4:02pm en el September 30th, 2008, Tania Alegria dijo…
Companheiro Manuel Feliciano, considero um privilégio poder contar com a beleza dos teus versos na minha página. Felicitações pela forma e pelo conteúdo do teu poema.Espero que nos encontremos mais vezes nas veredas deste fórum.Muito obrigada pela tua presença e pelas tuas palabras.Um abraço amigo.Tania Alegria


las 4:01pm en el September 28th, 2008, Arabella Salaverry dijo…
Manuel querido:Me ha gustado mucho tu palabra..."Carregados de nadaComo peixes atadosÀs redes do tempo"Así nos sentimos muchas veces...Gracias por la magia de tu palabraArabella


A las 9:19pm en el September 29th, 2008, Nilza Amaral dijo…
Caro Manuel Luis.Belo poema,em nossa língua.Logo mandarei a você, uma crônica sobre o Rio, que eu amo de paixão,embora more em São Paulo.



A las 1:24am en el September 30th, 2008, Cintia Thomé dijo…
Grata. Encantada com sua Poesia e tua palavras. abraços Comentar de Vuelta Ver conversación...

9.28.2008

HINO DO PERU
Somos libres seámoslo siempre
y antes niegue su luces el sol
que faltemos al voto solemne
que la patria al eterno elevó,
Versos
Largo tiempo el peruano oprimido
la ominosa cadena arrastró;
condenado a una cruel servidumbre
largo tiempo en silencio gimió.
Mas apenas el grito sagrado
Libertad! en sus costas se oyó
la indolencia de esclavo sacude,
la humillada cerviz levantó.
Ya el estruendo de broncas cadenas
que escuchamos tres siglos de horror,
de los libres al grito sagrado
que oyó atónito al mundo, cesó.
Por doquier San Martín inflamando,
libertad, libertad, pronunció,
y meciendo su base los Andes
la anunciaron, también, a una voz.
Con su influjo los pueblos despiertan
y cual rayo corrió la opinión;
desde el itsmo a las tierras del fuego
desde el fuego a la helada región.
Todos juran romper el enlace
que natura a ambos mundos negó
y quebrar ese cetro que España
reclinaba orgullosos en los dos.
Lima, cumple ese voto solemne,
y, severa, su enojo mostró,
al tirano impotente lanzando,
que intentaba alargar su opresión.
A su esfuerzo saltaron los grillos
y los surcos que en sí reparó,
le atizaron el odio y venganza
que heredera de su Inca y Señor.
Compatriotas, no más verla esclava
si humillada tres siglos gimió,
para siempre jurémosla libre
manteniendo su propio esplendor.
Nuestros brazos, hasta hoy desarmados
estén siempre cebando el cañón,
que algún día las playas de Iberia
sentirán de su estruendo el terror.
Excitemos los celos de España
Pues presiente con mengua y furor
Que en concurso de grandes naciones
Nuestra patria entrará en parangón.
En la lista que de éstas se forme
Llenaremos primero el reglón
Que el tirano ambicioso Iberino,
Que la América toda asoló.
En su cima los andes sostengan
la Bandera o pendón bicolor,
que a los siglos anuncie el esfuerzo
que ser libres, por siempre nos dio.
A su sombra, vivamos tranquilos,
y al nacer por sus cumbres el Sol,
renovemos el gran juramento
que rendimos al Dios de Jacob.

Bandera del Peru

9.13.2008

Poema em homenagem a Glória Davila Espinoza

Solta-me os teus cabelos
Em raízes frescas da amazónia
De chão – pássaros de luz
A nidificarem-me os ombros
Por entre a folhagem dos dedos
E ventres olhares de esperança
Vem desaguar em mim como cataratas
Em tempo sem pele carcomida
Em relógios sem corda
Ser-me barco a correr-me
Na saliva da boca
Deixa-me tocar-te…
Em faunas e floras aquáticas
Inventar-te crianças
No barro do teu corpo
Ser-te água e chuva
Por entre teus caminhos de luas
Vem ser sal na minha boca
E pão dos índios feito sol
em: A m a z o n a s
U c a y a l i s
H u a ll a g a s
Vem ser-me planta sempre nova.



Manuel Feliciano

NA GUINÉ-BISSAU

Na Guiné-Bissau ressoam tambores
E os corpos rebolam-se no calor da savana
E dançam o sol e gritam a terra
Estendem os braços em ramos ao céu
E deixam que a chuva lhes caia
E há estrelas que rebentam por entre homens em fome
Derrubados por fora
E crianças em guerra que inventam
A carícia do veado comendo no prado
No canto do choro
De barrigas sepultadas na fome da noite
De mães que dão a carne e a água
Em forma de paisagem enternecida
Nos seios de seus corpos
E homens políticos e cépticos
Tem medo de percorrer essa paisagem
E atravessar a Guiné
Como quem atravessa a Quinta Avenida
Ao som de tambores e corpos torrados
E olhos que acendem a noite
De burocratas frustrados
Que não aguentam a luz estéril onde trabalham
Que não conseguem diluir-se em
Café com leite ao pequeno-almoço
E as lágrimas de crianças caiem-lhes no prato!



Manuel Feliciano

Gloria Davila Espinoza:NOMBRAMIENTO


ULCERA DE MODERNIDAD

ULCERA DE MODERNIDAD


Lacerante eclosionar
vientos a toda furia irrumpen
el día que a pérdidas
aldeas entre lianas
lupunas, ishpingos y cotomonos
en su templo perduran en silenciosos.

Soberbios caballeros del portal
úlceras de modernidad
mi piel sentenciada a vivir
sin sombras y acaso ser naturaleza estéril en el parto de graznidos por doquier
exhalando a mi etnia en último grito
la piedad a la vida

y tu empuñando hachas
Cercenas cuerpecitos
que de voces mudas van pletóricas.

Hojas caídas al olvido
transitando playas
sin orillas
de mar sin mar
cardúmenes mezquinos
gotas de lluvia carcomidas por la brisa rala

¿Pulmones?, no, no son más…
son átomos de potecillos de vida sin vida
carcinoma de modernismos
ni rana, ni sol tibio
pan al extinguirse
mi humanidad le arrebata
a l a r i d o s
una vez mas
de lucha por la lucha
de vida por la vida
y del verdor oculto entre lianas.
Y es la metamorfosis epilogando
hoy su andar
¡mudanza mía y de mi Kafka en su ocaso
¿Esto es vivir acaso?
por qué voy
Sin yo quererlo
de espuelas cubierto
hiriendo tu pecho
cabalgata
calcino tus esencias perdidas
entre turbulencias aguas negras.



GLORIA DAVILA ESPINOZA

9.12.2008

Gloria Davila espinoza - Vida e Obra

ARTE, FILOSOFÍA Y LITERATURA "COLIBRI" de GLORIA DÁVILA
Huanuco, PerúGloria Margarita ver perfil »contacto » GLORIA MARGARITA DAVILA ESPINOZA. GLORIA DÁVILA. nació, en Huanuco, Perú el 1 de abril de 1961. Es hija última entre diez hermanos. Su padre fue Pedro Dávila Facundo (Dos de Mayo) maestro y periodista. Su madre Liduvina Espinoza Ferrer (Llata) ESTUDIOS: Estudió Lengua y Literatura en las Universidades “Hermilio Valdizan” de Huanuco y Los Ángeles de chimbote, Especialización en Tecnología con Nivel de Postgrado, Convenio de CIAP- Universidad Nacional Mayor de San Marcos, Lima. Maestría en Educación, Mención Investigación y Docencia Superior, en la Universidad Nacional Hermilio Valdizán, Huanuco. Actualmente cursando el Doctorado en Ciencias de la Educación. Es políglota: alemán, ingles, portugués, y es quechua parlante. EXPERIENCIA LITERARIA: 2001: Primer Puesto en Poesía “I Juegos Florales Universitarios”, organizado por la Universidad de Huanuco. 2003 : Funda el Círculo de Autores y Escritores, CAE, de Leoncio Prado- Huanuco Poeta-escritora-teatrista, promotora Cultural Presidenta de Fundación de Premios "Runa Simi', Perú-Alemania Embajadora Universal de la Paz - Perú/Ginebra ,Suiza. Miembro de REMES. desde España y México Coordinadora General de Unión Hispanoamericana de Escritores UHE para América Corresponsal de El Oro de los Tigres - Buenos AIres, Argentina Corresponsal de la Revista Peruana de Literatura, Perú Representante y socia de Sociedad de Escritores de Latinoamérica y Europa,desde Milán -Italia Consulesa de Poetas del Mundo,Huánuco Perú, desde Chile Representante de aBrace, Montevideo Uruguay Embajadora Literaria de ASEADLO. Embajadora para Alemanania de A.S.O.L.A.P.O Directivo de la Revista Internacional,"Olandina"- Perú Presidente de CAPPAZ, para Perú desde Brasil Corresponsal de la Página Cultural del Quincenario El Pregonero Ha sido Cofundadora y Presidenta del Directorio de "Runa Asociación Pro Cultura”, Cofundadora de Casza de Poesía, revista en papel y electrónica, Cofundadora de Colibrí Amaro Ediciones. Es activista y promotora cultural. Funda “Arte Filosofía y Literatura “Colibrí”, http://www.espacioblog.com/gloria-davila , con el que promociona a personajes del arte y la literatura. 2006: 1 de Abril, es premiada, Los Mejores del año 2005, como la Mejor Poeta del Año, por la Asociación Nacional de Periodistas del Perú, filial Tingo Maria, Ha sido representante de la Casa del Poeta Río Grande do Sul, Brasil. Vicesecretaria de la Asociación de Escritores de la Orbe (ASEADLO). Presidente de CAPPAZ para Perú, desde BRASIL Ha sido premiada y condecorada en varias ciudades y países. Como Huésped Ilustre, Hija Predilecta, Visitante Distinguida. ESCRITOS: Ha escrito más de 16 libros que son inéditos y muchos poemas, publicados en antologías, revistas (Israel, Arabia, Estados Unidos, México, Uruguay, Brasil, El Salvador, Chile, Perú) sus escritos fueron publicado en periódicos, la radio, y en varias páginas en el Internet y la televisión. 2005, lanzó su libro en Perú y Brasil, por el mismo recibió grandes elogios y ha sido invitada a escenarios congresos, recitales importantes en Perú, Bolivia, Argentina, Colombia, Uruguay, Chile y Francia. Ha viajado por Europa y ahora invitada a París para el encuentro Mundial de Poetas del Mundo. Tiene actualmente preparando una novela, "La Firma", Mis Años y el humo y un “Jonás y otros cuentos para niños” 2007 ha publicado el poemario “Kantos de Ishpingo” presentado en Buenos Aires, Argentina, con el prólogo y presentación de Manuel Lozano. y en Cuba por Roberto Bianchi aBrace. Publica por primera vez en Archivos del sur poemas en el Espacio de autorII - Galería de imágenes Impresiones Haber viajado por casi todo el Perú y parte de América latina, Centroamérica y Europa, me ha dejado grandes enseñanzas y amistades. Sé que el mundo es tuyo y de todos si tú lo quieres. Mis manos son las tuyas y mi pensamiento es de nuestro universo todo, en el que el ideal sea poesía para cambiar el mundo a favor de todos, una poesía comprometida con un pueblo que lucha por obtener sus derechos humanos, una poesía que trasunta el alma humana. Blogs: www.lacoctelera.com/poesias-y-nirvanas Contactos E-mail de contacto gloriaschreiber@hotmail.com

http://www.espacioblog.com/gloria-davila/post/2008/09/12/el-poeta-manuel-luis-feliciano-desde-lisboa-portugal

9.11.2008

Gloria Davila Espinoza la Diva de la Poesia Peruana


Poema: GLORIA DAVILA ESPINOZA

32. ESPEJOS DE MONTAÑAS Y AGUAS

Avisto tu frondosa cabellera
Entretejidas lianas de arboledas
Sumidas al
Rojizo espejo del atardecer
Dueñas de la paz y lluvias
y Rayos
y truenos
y espumosos torrentes de aguas
Respiro grietas olorosas de tus pumas
De tus Nidos del silencio
Exhalo tus aromas frescos
De orquídeas y manchingas
Recorriendo pasos de lupunas
Tigrillo mohenas y mama arhuacos
Sedientos de tu silencio.

A m a z o n a s
U c a y a l i s
H u a ll a g a s
Dibujando sus manos
Van deshojando cataratas
Cubiertas en la espuma algodonera
de sus aguas
revolucionando su existencia
de instante a siglos
urdimbre quiere ser
verde pájaro de plumaje real
en cumbre de vuelos espiralados

Nativos de tu andar:
Lento,
Quedo,
Solícito,
Va incurso aún
Amarillo horizonte tubular
Que hoy pintarse quiere

Sombrío
Y cenizo es
Y sueña arco iris
Por ella revienta en el sol sus fluidos
Y aguijones frescos
de preñadas esperanzas
de tus tierras que escarban ojos en su tierra
Para huir de sus pasos fríos.

Retumba el cielo,
Anunciando el arribo de mistis andantes
Poderíos
Que a ruego pide no ser más
días y quebra vientos
de lunas
en almas perdidas
sino espejos de montañas y aguas
hoy pérdidas
hoy heridas
hoy en el exilio.


Gloria Davila Espinoza

À minha querida: GLORIA DAVILA ESPINOZA

8.13.2008

Biografia

Manuel Luís Feliciano nasceu em Vilar de Barro – concelho de Resende, a 20 de Dezembro de 1975. Licenciou-se na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, na qual concluiu o curso de Línguas e Literaturas Modernas – Variante Estudos Portugueses e Franceses a 3 de Novembro de 2005.
Começou a publicar os primeiros poemas no Jornal Voz De Lamego na coluna de poesia. Publicou o primeiro livro “Pedaços de gente em mim” numa edição camarária e “Palavras em Guerra” pela papiro Editora, ambos foram apoiados pela Câmara Municipal de Resende. Alguém que goste de poesia e queira patrocinar o meu 3 livro que já se encontra feito, deixo o meu contacto de e-mail:



manuel.feliciano@sapo.pt

8.12.2008

Maria Madalena

Amo-te Maria Madalena
Acordei de manha contigo a meu lado
A dizer-te aves e sol da primavera no peito
Não és menos mulher que as outras mulheres
Só porque sentaste à tua mesa homens cansados e oprimidos
Pecados são homens e mulheres como searas caídos no chão
Chorando no altar sem lágrimas no rosto
Sei que choraste lágrimas por Jesus Cristo
Porque o teu coração não é deserto de areia
Quantas são mais sexo que tu e amam homens que as blasfemam
Onde nem uma brisa lhes corre na tarde do corpo
E que tem mais ira no coração que tu
Perdoa a Jesus Cristo porque ele é aquele sol que é fome
Dos pobres
Que não podia morrer no teu coração
Para se sentar à mesa com todos
Porque o amor é um puro veneno que queima tudo à volta
E quem te atirou aquelas pedras…
Possivelmente alguém que nunca deu uma fatia de pão
A Lazaro!



Manuel Feliciano

À Giovanna

Quando a Giovanna passa sobre as ruas de Arequipa
Como o verbo no princípio a naufragar no peito
Onde a terra é abundante e as árvores dão frutos
E o leão e o cordeiro caminham lado a lado
E nas tuas pálpebras em flor
Os meus olhos pousam como duas borboletas
E o meu corpo não sente fome nem sede nem distancia
Porque tu habitas-me como a eternidade de todas as coisas
Sem o predador e a presa angustiados
Porque tu és como o maná sobre a rocha do deserto
A semente que diz palavras de amor sobre a areia
És como um sol suave que não queima
Por mais frio que caia sobre o corpo
Tu dizes sempre a Primavera através das tuas mãos quentes
Morro todos os dias e sou feliz contigo
Porque tu és o lugar onde Deus criou Adão e Eva.



Manuel Feliciano

7.26.2008

Poema - Palavras em Guerra

Era Domingo
Saías da igreja tão devota
Com orações ainda quentes na boca
E Deus no silêncio dos teus olhos
O teu corpo descia pela rua
Como uma pomba a atravessar
Pelo íntimo da paisagem
Na respiração das bocas
O sol penetrava teu rosto
Frio de terra inóspita
E os pássaros aqueciam-se
Em ramos de árvores dentro de ti
Mas porque os teus olhos
Não pintam rostos diluídos
Em folhas de árvores atirados ao chão
No Outono de cada homem
E gritos que suspiram o sol da tua paisagem
Um mendigo pede-te pão
E tu em fuga o evitas chorando
Com teu Deus morto nos braços
E o Domingo será sempre a redenção dos teus olhos.

Eu e Setúbal

Era já de noite quando segui para Setúbal me acolher. A Vasco da Gama abraçava o rio com os seus belos braços longínquos, o Tejo prateado, já embalado pela lua, franzia-se por entres as luzes que lhe caiam da ponte, quem seriam os amantes que faziam amor por debaixo daquele lençol de água?
Depois daqueles quilómetros cheios de mistério tocamos a terra firme do Montijo, mas a noite já não deixava vislumbrar a paisagem, somente os olhos dos passageiros do autocarro nos iluminavam.
A viagem é rápida, não pensem que Setúbal fica no fim do mundo. Eu, e o meu cicerone, apanhamos o carro na estação. A Ana quis que Setúbal se passeasse dentro de mim, ao invés de ser eu a passear-me por Setúbal, não foi preciso muito esforço porque Setúbal é bela.
Primeiro bandeamo-nos pela bela Palmela, e subimos ao alto do seu castelo, naquela elegância e quebranto que aquele belo altar nos merece, as luzes de Setúbal viam-se cá em baixo como estrelas vindas do céu, e a noite já suspirava por entre o vale que deslizava até à cidade.
Descemos Palmela e tocamos de novo na cidade de Setúbal, já à beira mar, senti-me abraçar o mundo tal como o mar e aqueles barcos que seguem para destinos longínquos mas também habitados, que arrepio…lembrei-me dos portugueses na diáspora dos descobrimentos, que homens de coragem! Seguimos pela lota à procura de comidita, porque Setúbal dá fome.
Acordamos ir ao MC Donalds para calar a fome, e refastelamo-nos na esplanada ainda no rescaldo da apresentação do livro e considerações gramaticais, deu para ter uma ideia de quanto a cidade é bela.
Mais umas voltinhas e voltamos para casa. Nem estranhei a cama, sou como um vagabundo sem terra própria. Quando acordei, o dia estava macambúzio, mas ao vir à varanda a bela Setúbal estava de minissaia de nevoeiro, e seu soutien era a cacimba que se desfazia pelo chão. Fomos almoçar e de novo à conquista daquela mulher que é a cidade.
A serra da Arrábida esperava por mim com aquele ar de bravura indelével, Tróia ao fundo submissa àquelas águas, e eu enternecido ao ver aquela imensidão, o mar estava mesmo ali a chamar-me, não posso foi o que lhe respondi.
Depois fomos ver a cidade numa esplanada de hotel, o flash da máquina e o meu olhar a enamorarem-se de Palmela bem lá no alto, e de Setúbal e do mar ao fundo. Até no estádio do Bonfim entrei, Fakirá treinava os seus pupilos, naquela manta verde de relva, e alguns adeptos assistiam ao treino, é o sangue de Setúbal a correr-lhe nas veias.
Seguimos para a baixa, Bocage na praça a falar ao mundo. Não Bocage poesia agora não, deixa-me ver as pernas das mulheres de Setúbal, que belas pernas hein! Fotos e mais fotos. De novo, restaurante misturado com comida e palavras de Bocage.
Agora não Bocage, deixa-me degustar o strogonoff, e a sobremesa de bolo de bolacha.
Voltei para Lisboa, há sempre uma estação que nos espera, não chores por mim Setúbal. Vim a contar estações: Setúbal, Palmela, Venda do alcaide, Pinhal novo, Penalva, Coina, fogueteiro, Foros de amora, Corroios, Pragal, aí estou eu atravessar a ponte 25 de Abril, é o Tejo e Lisboa ao seu melhor estilo, Campolide, sete rios. Adeus Lisboa, volto sempre quando puder, aliás também sou teu.


Manuel Feliciano

Agradecimentos a Vilar

A apresentação no dia 24 de Julho na Bertrand correu com normalidade. Uma apresentação é aquilo que é, portanto não pensem que tudo o quanto lá foi dito é da índole dos Deuses, ou que iríamos sair dali homens com a cara lavada dos nossos problemas diários.
Eu não me arrependo de nada, convidei quem pude dentro das possibilidades, agradeço muito às pessoas que me acompanharam, e que preencheram aquelas cadeiras, porque o meu clã, foi a grande massa a ocupar as cadeiras da livraria Bertrand, por isso sou humilde e sei reconhecer isso.
Vós representastes a minha família, porque se vos convidei, é porque vos considero gente da minha terra, das mesmas origens com as mesmas dificuldades, cada um luta como pode. Eu agradeço o vosso tempo, disponibilidade e paciência, por isso quero dar-vos uma salva de palmas, porque sem vós a sala estaria vazia.
Não pude voltar convosco, porque a minha alma é do mundo, e eu sou sempre um ser em viagem, não quero que penseis que o fiz por desprezo ou por desconsideração, todavia Setúbal esperava por mim.


Manuel Feliciano

7.05.2008

Uma edição da Papiro Editora

Palavras em Guerra é um livro de poesia editado pela Papiro editora da autoria de Manuel Feliciano. Este conjunto de poemas tem o intento de consciencializar o leitor para assuntos que afectam a nossa sociedade, tais como a fome, a discriminação, a falsa moralidade e o preconceito.
A questão que se coloca, é afinal, que espécie de animal somos nós?


Manuel Feliciano

7.02.2008

Apresentaçao do livro "palavras em guerra"

No dia 24 de Julho de 2008 será apresentado o livro de poesia "palavras em guerra" na livraria Bertrand do centro comercial Vasco da Gama, em Lisboa pelas 18:30h. Pede-se a todos os convidados que compareçam.

6.27.2008

À mãe Rosa

És a casa cheia de sol
A escorrer
Nos ninhos sobre os beirais
O refugio das dores
As flores sobre o altar
Onde medito teu nome de Rosa
Como se um Deus se abra em teu leito
Para te celebrar
És a origem da terra
Só há terra porque és mãe
Sem ti a montanha não se erigia aos céus
E os oceanos morrer-te-iam no colo
Porque tu és todas as coisas enlaçadas
Coisas que só existem porque tu és
Parte de mim
Origem de todas as coisas.


Autoria: Manuel Feliciano

5.30.2008

Sinopse do terceiro livro "Uma flor ao luar"

Uma flor ao luar aborda a natureza do homem e a sua condição humana. É este homem que nasce cheio de inteligência e poder, que paralisa perante os códigos da natureza, quando a olha e a tenta decifrar.
É nesta ânsia de a querer decifrar, que o poeta constrói e desconstroi alguns dos seus cânones, afinal o que é que nos difere de todas estas coisas? O sonho supostamente.
É este homem, demasiado preso ao corpo, à terra, e a toda a sua condição humana, que se tenta desdobrar na tentativa de quebrar o ritmo lento da vida e das coisas.
A terra que surge nestes poemas é imóvel. O poeta transcende-se para vencer os dias sem ritmo. A viagem é uma forma de escape para outros lugares, onde o poeta possa sentir-se terra não imóvel. Há uma negação óbvia dos elementos terrestres, afinal como se estas coisas não existissem, sem nunca descurar, aqui e acolá com uma pitada de ironia, as vicissitudes do próprio homem.
Manuel Feliciano

5.24.2008

Preciso de um agente

Olá caros amigos!

Na necessidade de ver a minha poesia divulgada, gostaria muito de conhecer um agente nesta área, se conhecerem alguém com conhecimentos dentro destes meandros, gostaria que me contactassem para: manuel.feliciano@sapo.pt

5.08.2008

Sinópse do segundo livro "palavras em guerra"

Palavras em guerra fala de uma humanidade quase impossível, de um homem voltado de si para si mesmo, numa sociedade que se diz inteligente, em que muitos afirmam ser filhos de Deus, mas que não revelam em si mesmos, qualquer crença ou inteligência sensível.
São aqueles que vão à missa que abandonam os cães pela estrada, ou que dão restos de comida a Lázaro.
Por isso, “palavras em guerra” é uma seta apontada para aqueles que criaram um mundo e um Deus à medida do próprio egoísmo humano, mas que continuam cegos.
Digo, cegos para admirarem os cães que lambem as feridas dos doentes e abandonados, e perceberem que em cada coisa existe uma essência, e que Deus não se restringe a estes homens, que muitas vezes são meros animais.
São estes homens que criticam a prostitua, e que não maior parte das vezes são tão leves como vento, leves para medirem o seu coração.
É nesta sociedade escrava de um prazer, que eu acredito, que seria possível nascer-lhe uma rosa sobre a rocha, a rocha da escravidão da vaidade e do orgulho.


Manuel Luís Feliciano

4.15.2008

Prefácio do segundo livro

A Ferida e a Guerra


Esclarecendo que o poema
é um duelo agudíssimo
quero eu dizer um dedo
agudíssimo claro
apontado ao coração do homem
[…]
Luiza Neto Jorge[1]

O segundo livro de Manuel Feliciano assume-se como o palco de uma guerra inusitada: uma guerra entre palavras. Neste sentido, o título Palavras em Guerra, não sendo, como muitas vezes acontece, gratuito, possibilita a constituição de algumas linhas de leitura. “Possibilita”, somente, porque na verdade não há fórmulas para compreender a poesia, nem, aliás, para compreender a vida. Como o poeta nos diz, «[a] fórmula química / envenena a flor»[2].
[1] Luiza Neto Jorge, “O Poema”, Terra Imóvel.
[2] Poema “O poema”.

O preço do livro"pedaços de gente em mim"

Boa Tarde

Informo que em Reunião do Executivo Camarário, realizada hoje, foi aprovado o preço do livro de que V. Ex.ª é autor.
Assim o valor do livro será de 5,00 €

Cordialmente

AnabelaCoelho

4.14.2008

1 de Maio feira do livro

Vou estar dia 1 de Maio na feira do livro pelas 17:00h, que se irá realizar no posto de turismo em Resende, para quem quiser levar o livro autografado.

poema de Luis azevedo

Aqui é onde eu estou
Eu estou sempre aqui onde me vês
Esta casa, esta cara, estas coisas cansam
porque aqui cansa
aqui dá sede de ir, sede de ali
porque ali é o lugar onde jamais poderei estar
onde sou impossível
vá onde for, ali onde eu chegar será aqui
e estarei esperando a mim próprio com um ramo de rosas na mão
aí és tu aqui
aí parece um grito porque é onde me dói
eu quero estar aí, onde tu estás
tu aqui, ou melhor nós dois ali, remotos, juntos
porque vivemos juntos
aí há o amor que não há aqui
estas coisas tocadas pelas tuas mãos
o que tu pensas, dizes, calas, sonhas
esses lugares onde tu estás sem mim
esse desejo, essa necessidade!
Ali é a salvação
o espelhismo nascido da sede
de estar aqui...
Ali sim seremos felizes!
Onde tu aqui e eu ali estaríamos juntos.
Não há palavras que descrevam ali
As palavras são estas, não aquelas.
Eu estou aqui, tu aí e lá o nosso quando.
Isto é pedra, isso é seda, aquilo é mar
Aqui é chorar o impossível, o odiado domicílio, carência de cada dia
Aí o calor de ti, tua minha vida, tesouro da tua ilha, ar de amor
Ali, onde não estamos chove sobre a vida
que nunca será nossa e me aguarda.


De Luís Azevedo

Pelos velhos tempos que partilhamos em Lisboa

4.06.2008


Douro

Douro que tuas águas desprendes
De cristal abraçando margens
Num fio de água estendes
O espelho de belas paisagens

Ânsia debruçada na corrente
Leve segue sem abandonar
Cativo como a serpente
Correndo lentamente neste olhar


Que vejo nos braços navegar?
A sede que aquece o beijo?
O nú que tua face inspira.

Que prende e faz caminhar
Num íntimo e fresco desejo
O leito em que o teu corpo transpira!

Morde-me o chão

Morde-me o chão de corpos calcinados
De punhos que sangram na garganta
Das pedras em sono
Sinto a estação de todos os homens
Na viagem do tempo
E pinto a pulsação
Das horas nos lábios vermelhos
Do pó onde escuto as vozes em silêncio
É preciso que as pedras pairem
E as crianças nasçam
Doem-me as árvores, as flores, os muros
Os beijos!
Porque sou ponte feita de silêncio em chama
A refazer os corpos
Que moram neste chão, nestas árvores!


Manuel Feliciano

Anatomia

Tu és somente
As conchas e a areia da praia
As rochas oxidadas
Se esbatendo nas ondas salgadas
O vento a fulgir
Num fim de tarde
O etéreo das flores
Um sopro de corpo no espaço
A chuva a cair!

4.04.2008

Como adquirir o livro

Relativamente à comunicação enviada a este Município informo que as pessoas, que não tenham a oportunidade de comprar o livro aqui em Resende o poderão obter enviando um requerimento para a Câmara Municipal solicitando o envio do livro pelo correio. Desta forma o requerente deverá assumir as despesas de envio e o valor do livro.
Câmara Municipal de Resende :: Av. Rebelo Moniz :: 4660-215 Resende :: PortugalTel.: +351 254 877 653 :: Fax: +351 254 877 424 :: cm.resende@mail.telepac.pt

Alguns poemas do terceiro livro já nasceram

Está a nascer um terceiro livro de poesia erótica, pouco a pouco os poemas vão vencendo as páginas em branco, mas quero que este livro seja uma espécie de morte lenta, quero pois, que os poemas nasçam dentro de mim e me peçam para habitar o mundo, alguns já estão a viver.

Nao escrevo para ser feliz

Não escrevo para ser feliz. Colho a poesia nas pessoas que passam pelas ruas, ou nas minhas viagens interiores. Não escrevo para ser gente, porque já sou gente muito em antes de escrever. Caminho pelas ruas, pobre e descalço, como um indígena, e como frutos ao luar. Escrevo porque adoro edificar mesmo nos olhares mais cansados, mesmo naqueles em que eu passaria como Lazaro em suas casas e não me dariam pão. Sou livre como um pássaro, por isso entro nos interiores que se diriam impossíveis de visitar. A realidade é uma mera ficção.
Ofereço-vos este pedacinho de letras que de alguma maneira me definem.

Segundo livro

Depois do primeiro livro “pedaços de gente em mim” a minha escrita não parou, decidi fazer um segundo livro que tem como titulo “palavras em guerra”. O livro nasceu e já viu a luz do dia, aguardo a entrega do prefácio por parte da minha amiga Ana Sofia para negociar uma nova publicação.

Apresentação do livro

Caros amigos

A apresentaçao “pedaços de gente em mim” decorreu no dia 28 de Março de 2008 no museu da Câmara Municipal de Resende. Alguns poemas que estão aqui postados fazem parte do conjunto do primeiro livro.
Os livros estarão à venda no posto de turismo desta câmara e no seu museu. Para tirar quaisquer dúvidas relativamente à compra do livro devem pedir informação no seguinte e-mail: mailto:cm.resende@mail.telepac.pt

4.03.2008

Idealismo

Eu queria cheirar as flores das tuas mãos
Como quem as abre e solta de liberdade
Beijá-las por fora
E naufragar por elas dentro
Na vaga dos teus cabelos não ser pagão
E no calor do teu peito queimar a nudez das palavras
Perfumar os meus lábios na imensidão
Sentir o teu sorriso amamentar-me
Como velas suavizadas pelo vento
Dar-te um beijo para além do tempo
Ser dentro de ti um rebento
Um perfume eterno de felicidade.
Na margem


Eu busquei o Outono
Quando me acordou a Primavera
Como o primeiro homem em terra estranha
Os teus cabelos queimavam-me o rosto
Na flor
Semente do sol bebi-te a sombra
Os dias azuis nas tuas veias onde me afogaste
Beijaste-me mesmo ao virar da esquina
A um ritmo social contemporâneo
Nem foste deserto nem foste prado
O teu vestido...
Ciclo incógnito da vida
Que bem lhe batiam as ondas da praia!
Na prisão imbecil do meu corpo
Deixaste-me na outra margem
Fizeste-me secar as palavras molhadas
Nos meus lábios...
Deste-me a comer
O teu coração maçã fria!

Às vezes quando passo na rua
Há gente mutilada que se me atravessa e é feliz
Que buzinam mais que o próprio trânsito
E sem sequer me olharem disferem tiros em todas as direcções
E os seus corpos são finos como a aveia
E nem sequer têm uma cicatriz
Há sorrisos que doem mais que caveiras.

New york

New York


Num décimo andar, Nova Iorque iluminada
Num vertical mobilizada sobre rodas
Vitrais que espelham clarões e modas
Esbelta e esguia sais disparada
No topo deste andar és alcançada
Com nuances vários das cores das rosas

A estátua da liberdade está paralizada
Subo o elevador como no desfiladeiro
Desço o elevador tomo outro roteiro
Bebo o chá das cinco já na auto-estrada
Chego ao fim do dia e leio Caeiro
E lembro de comprar flores p’ra namorada

O ruído emudeceu no décimo andar
Em que caminhava um som estridente
Num sofá de couro e luz florescente
Tocou a campaínha no décimo andar
Numa atitude que pareceu urgente
Passear e tomar com ela café num bar!

Pedaços de gente em mim

Este primeiro conjunto de poemas publicado por Manuel Luís Feliciano, Pedaços de gente em mim, embala no ritmo dos seus versos, a melodia e o cheiro da juventude, o caminho já bem delimitado, de uma memória errante pela cidade, do sonho e da ilusão do amor associados à construção de um mundo uno e perfeito. O soneto é a forma clássica privilegiada para explorar frequentemente o diálogo dramático entre um eu e um tu. Este tu é um tu feminino, a mulher que atrai e se deseja, a volúpia da Primavera que se aguarda e se anseia para lhe roubar um beijo.